Coletivo de grupos e criadores independentes das artes cênicas em Recife, Pernambuco. Nasceu da necessidade de diálogo entre os artistas sobre as linguagens cênicas, buscando a manutenção dos trabalhos de pesquisa e investigação teatral.

Em encontros semanais são realizadas vivências práticas e teóricas sobre a reflexão e o questionamento do fazer teatral contemporâneo em seus aspectos poéticos, estéticos e políticos.

Traga sua experiência também!

Encontros semanais

TODAS AS TERÇAS, ÀS 19H!
No Espaço Compassos
Rua da Moeda, 93, 1º andar, Bairro do Recife. (Entrada pela Rua Mariz de Barros – casa rosa com janelas amarelas)

Como participar:

1º passo: Procure um dos membros das Comissões através do email: colaborativopermanencia@gmail.com;

2º passo: Apareça para conhecer as atividades do coletivo, nos encontros semanais das terças-feiras.

29 de mar de 2009

Plano Municipal de Cultura do Recife

Publico aqui, alguns pontos que me chamam atenção no Plano Municipal de Cultura do Recife, para implementação e aprofundamento de políticas públicas para cultura. O PMC 2009/2019 foi aprovado na gestão João Paulo / João Roberto Peixe e foi “elaborado pelo Conselho Municipal de Política Cultural, resulta do Plano Estratégico de Gestão Cultural para a Cidade do Recife, das diretrizes aprovadas na Plenária Final da III Conferência Municipal de Política Cultural do Recife, das idéias e propostas apresentadas por intelectuais, artistas, produtores, gestores públicos e privados e dos cidadãos recifenses que participaram dos Fóruns Permanentes, dos debates públicos e das Pré-Conferências que antecederam a Conferência Municipal e, especialmente, das contribuições dos conselheiros que participaram das Comissões Temáticas responsáveis pelo aprofundamento das discussões sobre os seus cinco eixos estratégicos e das reuniões do Pleno que o aprovou, após um amplo, rico e democrático debate.” (Plano Municipal de Cultura do Recife, pág. 15)
Pontuo referências do Plano ligadas às artes cênicas, a maioria sem um cronograma com datas e estratégias de implementação definidas.

Artes Cênicas
O segmento de artes cênicas vem experimentando, nos últimos tempos, avanços na constituição de uma política para o setor. No âmbito do Governo Municipal a criação da Secretaria de Cultura e posteriormente a reforma administrativa da Prefeitura do Recife, em sintonia com a instância Federal, proporcionou o surgimento de um novo cenário cultural. Para o que concorreram ações pontuais importantes no plano estadual, num somatório de intervenções que vieram contribuir para a otimização das artes cênicas locais.
Como exemplo dessas conquistas, observam-se melhorias na gestão das políticas para as artes cênicas, resultando na criação das Gerências Operacionais de Artes Cênicas e de Teatros, que proporcionou uma ação efetiva e sistemática na manutenção e requalificação dos equipamentos.
Essa política desdobra-se na reformulação e requalificação dos Festivais de Teatro e Dança e na criação da Mostra de Circo do Recife no âmbito da gestão municipal. Tais iniciativas somadas às ações de outras instâncias como Festival de Inverno de Garanhuns e o Circuito Pernambucano de Artes Cênicas (Governo Estadual); Palco Giratório do Sesc, Janeiro de Grandes Espetáculos, Todos Verão Teatro, Festival de Teatro para Criança, Festival Estudantil de Teatro e Dança, Mostra Brasileira de Dança, Plataforma de Dança, Festival de Teatro de Rua, (iniciativa privada e entidades de classe), o surgimento de novos criadores, grupos e companhias, o crescimento e o
fortalecimento de organizações e entidades de classe, Fóruns Permanentes a partir da nova constituição do Conselho Municipal de Política Cultural.
Ressaltamos a importância da política de fomento para a cadeia produtiva das artes cênicas, que gerou aumento significativo na produção local de espetáculos variados. Na esfera municipal, além do apoio institucional aos diversos festivais da cidade, destaca-se ainda o Sistema de Incentivo à Cultura e o Fomento às Artes Cênicas. No âmbito estadual o Funcultura tem contribuído também para o crescimento dessa produção e no Federal, Prêmios Myriam Muniz e Klaus Vianna.
Na área de formação verificam-se avanços expressivos em alguns segmentos como a implantação da licenciatura em dança na UFPE, uma conquista do Movimento Dança Recife, a consolidação da Escola Pernambucana de Circo, linguagens anteriormente menos contempladas, e finalmente a instalação dos Pontos de Cultura como política de descentralização, tal qual o Programa Multicultural, presentes nas Regiões Político-Administrativas. Ressalta-se que o aspecto da descentralização ganhou reforço significativo nos Festivais, sobretudo no Festival Recife do Teatro Nacional e no Festival Internacional de Dança do Recife, cujas atividades também contemplaram as Refinarias Multiculturais Nascedouro de Peixinhos e Sitio Trindade.
Além dessas ações, também verificam-se avanços em outros setores: participação efetiva nos concursos que acontecem nos ciclos culturais, estabelecimento de parcerias para manutenção e ampliação dos equipamentos, surgimento de espaços multiuso descentralizados para suprir as necessidades de formação, escoamento da produção e ampliação de espaços, com ênfase nas Refinarias Multiculturais do Nascedouro de Peixinhos (RPA 2) e Sitio Trindade (RPA 3) em funcionamento, a do Caiara (RPA 4) em fase de construção; e 3 a serem implantadas nas outras RPA’s. Espaços que uma vez definitivamente instalados, irão constituir-se em espaços cênicos capazes de abrigar produção de alto nível, estabelecer intercâmbio entre criadores e promover a qualificação profissional em nível avançado. A Fábrica Cultural Tacaruna e futuramente os Centros Culturais Capiba, Caixa Cultural, Correios e Parque Dona Lindu. Embora a Prefeitura mantenha cinco casas de espetáculos em funcionamento, há de se ressaltar a necessidade da criação de novos espaços cênicos de pequeno e médio porte.
Ainda observam-se lacunas numa política de formação continuada para os profissionais das Artes Cênicas. O Centro de Formação e Pesquisa das Artes Cênicas Apolo-Hermilo, embora definido como ponto estratégico da política cultural, falta-lhe a consolidação como equipamento de formação regular da cadeia produtiva das Artes Cênicas, enquanto núcleo formador de nível técnico. Noutra frente, podemos ressaltar a necessidade urgente de um Curso de Bacharelado em Artes Cênicas com habilitação em Interpretação e Direção Teatral, pela UFPE. Tais ações devem contribuir para o enriquecimento e renovação da cena local, no sentido de fazê-la dialogar com as questões estéticas do teatro contemporâneo – nacional e internacional. Nesse contexto, identifica-se um ponto de estrangulamento quanto à regulamentação de uma política de gestão de pessoas, específica para os equipamentos culturais, no que diz respeito à qualificação, formação continuada e remuneração dos profissionais. Outra intervenção importante refere-se aos aspectos de memória do teatro, com ênfase no teatro brasileiro/pernambucano: a manutenção, o fortalecimento e a ampliação dos acervos já existentes como os do Centro de Documentação Osman Lins, do Centro Apolo-Hermilo e do Teatro de Santa Isabel e outros que possam vir a ser criados nos diversos espaços cênicos.
Apesar de todos os avanços na construção de políticas culturais focadas no fomento e incentivo à produção, outro aspecto que não pode ser negligenciado: a formação e a renovação de platéias através de mecanismos que aproximem o público dos bens culturais, como o projeto “Educação para o Teatro, Educação para a Vida”, com peças teatrais no Teatro Barreto Junior e ingressos a preço simbólico.
Necessário também se faz estabelecer uma política de ocupação dos espaços cênicos, a partir de ampla discussão com os segmentos da área, em consonância com o perfil e a identidade de cada um deles.

- Assegurar capacitação e reciclagem para trabalhadores da Cultura, que fazem parte do quadro técnico do Município, através da formação continuada, nas suas áreas específicas, suprindo carências identificadas a partir de pesquisa interna;

- Criar quadros de funcionários especializados nas instituições culturais municipais visando o pleno funcionamento de teatros, cinemas, museus, centros culturais e bibliotecas;

- Assegurar percentuais acima de 3% do Orçamento Municipal para a área da cultura, garantindo a execução das políticas públicas de cultura do município e o funcionamento da Secretaria de Cultura e da Fundação de Cultura Cidade do Recife;

- Estabelecer critérios de ocupação das pautas dos teatros e museus municipais, definidas através de curadoria e de seleção por edital, respeitando-se a especificidade de cada equipamento e a programação oficial;

- Desenvolver políticas de financiamento para o intercâmbio cultural, criando editais, trimestralmente, para custeio de transporte de artistas, grupos e produtores culturais e/ou material, através do Fundo Municipal de Cultura;

- Desenvolver uma política contínua de acesso à cultura, incentivando a população, através de campanha publicitária educativa permanente, a criar o hábito de freqüentar a programação artística e os bens culturais do seu bairro e de sua cidade ao longo do ano. Para isso cada vez mais desenvolver uma política contínua de acesso à cultura nas seis RPAs, em parceria com os segmentos artísticos e as cadeias produtivas do Recife e do Estado de Pernambuco, para ampliar e garantir a formação e renovação de público;

- Apoiar e propor iniciativas que promovam o desenvolvimento de uma transculturalidade, proporcionando a experimentação e o encontro entre artistas de diversas linguagens, como a realização, anualmente, de um festival transcultural envolvendo os artistas das diversas linguagens e segmentos;

- Fortalecer o Centro de Formação e Pesquisa das Artes Cênicas Apolo/Hermilo como espaço de formação e pesquisa nas artes cênicas, através de intercâmbio e troca de experiência entre artistas; por meio do incentivo à produção local; da continuidade de projetos, como a Mostra de Dança Contemporânea, O Solo do Outro, Mostra de Teatro Infantil, Semana Hermilo Borba Filho, Oficinas de Inverno, Aprendiz Encena, Mostra de Dança Contemporânea, Trabalho em Processo; do apoio a outros projetos culturais e através da realização de cursos, oficinas, workshops e leituras dramáticas. Ampliar o acervo do Centro de Documentação Osman Lins, com perspectivas inclusivas de livros e vídeos sobre o teatro, dança, ópera (colocar vídeos de espetáculos de grandes mestres de teatro, da dança e da ópera);

- Estimular a elaboração de um Plano de Formação e Qualificação na área da cultura, que contemple os diversos segmentos, articulando com instituições municipais, estaduais e federais de ensino a implantação de cursos nos níveis de iniciação, técnico-médio, técnico-superior e pós-graduação, utilizando, de imediato, os espaços físicos já existentes na cidade do Recife, de forma descentralizada;

- Promover, sistematicamente, cursos pelo Programa Multicultural a cada semestre em, no mínimo, três RPA’s com maior carga horária dos cursos de iniciação a produção cultural (mínimo 260 h/a) e oficinas (mínimo de 80 h/a) com entrega de certificados devidamente reconhecidos, por meio de parcerias articuladas com instituições municipais, estaduais e federais de ensino;

- Criar o Portal Cultural do Recife, contemplando todos os segmentos e apresentando a programação cultural da cidade, bem como informações sobre a Gestão Cultural;

- Fomentar e incentivar a criação de redes e cooperativas, segundo as especificidades dos diversos segmentos artísticos no Recife. Estimular a articulação com outras redes nacionais e internacionais, promovendo o intercâmbio cultural e a troca de experiências de gestão, divulgação cultural, comercialização de produtos, entre outros;

- Firmar parceria com o Governo Federal para divulgar e potencializar o Programa Culturaprev, estimulando sua adesão pelos artistas e produtores culturais, beneficiando uma classe trabalhadora que tem direito a garantias previdenciárias;

- Fortalecer e consolidar o Sistema Municipal de Informações Culturais, instância responsável pela geração e difusão de informações culturais (artistas, equipamentos, eventos, manifestações e segmentos artísticos, cadeias produtivas, etc.), por meios eletrônicos e rede mundial de computadores, contribuindo, dessa forma, para a inclusão sociocultural e desenvolvimento econômico. Atuar conectado com o Sistema Nacional de Informações Culturais, acompanhando e
avaliando as atividades culturais com pesquisas e indicadores culturais. Consolidar o Cadastro Cultural do Recife, como base de dados, imprescindível para a visibilidade dos segmentos artísticos e subsídios para desenvolvimento de políticas públicas para a cultura. Implantar um Sistema de Informações e Indicadores Culturais, aferindo o desempenho quantitativo e qualitativo das atividades desenvolvidas em todas as áreas culturais e artísticas, visando subsidiar uma permanente formulação de políticas públicas;

- Realizar pesquisas das cadeias produtivas da cultura, em parceria com outros governos e instituições, para identificar oportunidades e estabelecer políticas e procedimentos que facilitem e estimulem a produção e a geração de emprego e renda nos diversos segmentos culturais. As informações resultantes devem ser disponibilizadas ao público via internet;

- Regulamentar e implementar o Fundo Municipal de Cultura, previsto no Sistema de Incentivo à Cultura do Recife (Lei nº 16.215/96), assegurando na LOA (Lei Orçamentária Anual) os recursos para os projetos culturais aprovados;

- Fomento às Artes Cênicas - Realizar, anualmente, o Prêmio de Fomento às Artes Cênicas, contemplando cinco projetos para cada categoria: teatro, dança, circo e ópera;

- Desenvolver uma política de valorização dos monumentos e espaços públicos do Centro Histórico do Recife (bairros do Recife, Santo Antonio, São José e Boa Vista), que integre o patrimônio material e imaterial, onde suas ruas, praças e pátios sejam utilizados, no dia-a-dia, como palco para diversas manifestações culturais e artísticas e, as Secretarias de Cultura e de Turismo promovam, conjuntamente, um circuito de visitação aos monumentos históricos dos nove Núcleos do Território Recife do Complexo Turístico Cultural Recife/Olinda, com guias de turismo formados por historiadores e que dominem, no mínimo, os idiomas inglês e espanhol;

- Estruturar e implementar o Circuito do Turismo Cultural do Recife, numa ação conjunta das Secretarias de Cultura e de Turismo, tendo como ponto de referência central (conforme previsto no Prodetur) o Portal do Turismo Metropolitano, instalado no Museu da Cidade do Recife. O Portal será conectado a outros terminais instalados em diversos pontos da cidade, como os equipamentosâncora dos Núcleos do Complexo Turístico Cultural Recife/Olinda e as Refinarias Multiculturais. O Portal deve informar os visitantes, além da programação cultural da cidade, os diversos roteiros turísticos disponíveis: histórico, religioso, gastronômico, cultura afro-brasileira, manifestações populares, arquitetura colonial, arquitetura contemporânea, artes cênicas, moda, artesanato, entre outros;

- Trabalhar a política cultural de forma transversal, integrada com as políticas de educação, esporte, saúde, meio ambiente, turismo, segurança pública, desenvolvimento econômico e social. Promover seminários e debates para integração do setor público e da iniciativa privada destas áreas e traçar, a partir destes encontros, metas para fortalecimento da política de cultura do Município;

- Festival Recife do Teatro Nacional - Consolidar o evento no plano nacional e, a médio prazo, transformá-lo num festival internacional, fortalecendo o Recife como um importante pólo das artes cênicas. Reforçar o compromisso da municipalidade com uma política cultural voltada para o desenvolvimento das artes cênicas locais – incentivando, apoiando e fomentando a produção; criando mecanismos apropriados ao intercâmbio e à projeção dos seus criadores; formando público e promovendo a geração de renda;

- Festival Internacional de Dança do Recife - Consolidar o evento como um dos mais importantes do país, qualificando a produção local e ampliando a participação de companhias internacionais. Promover a apresentação de espetáculos em teatros e na rua, no centro e nas diversas regiões da cidade; trabalhar a intersecção da dança com as artes visuais através da realização de cursos de vídeodança, dança contemporânea e dança educação, noites performáticas, espetáculos e mostras de vídeo e dança;

- Cuidar com a mesma atenção de todos os equipamentos culturais do município, tanto das suas estruturas físicas quanto da implementação de uma programação que contemple as mais diversas áreas e manifestações culturais da cidade.


Vamos acompanhar de perto?

Até!

Viviane Bezerra

28 de mar de 2009

Ação do Colaborativo Permanência no dia Mundial do Teatro e Nacional do Circo

Colaborativo Permanência viveu uma intensa semana teatral. Além dos seus trabalhos fixos semanais de trocas estéticas e reuniões de comissões, participou da semana Universo Antunes Filho assistindo às palestras, mostras, espetáculos, oficina e promoveu um bate papo no Recife Praia Hotel com artistas e produtores do CPT, estabelecendo e estreitando os laços que formam uma rede de comunicação, no intuito de fortalecer as bases de formação, pesquisa continuada e debate político sobre a condição de vida profissional, social e humana dos artistas das artes cênicas no Brasil, na América Latina e no mundo.
No dia 27 de março, dia Mundial do Teatro e Nacional do Circo, as atividades de comemoração tiveram, na sua programação, uma tarde de apresentação à sociedade do cotidiano do trabalho do ator com mostra de treinamentos para o ator; debates sobre as condições de trabalho do artista de teatro; leitura de textos sobre o teatro e do Movimento 27 de Março, em consonância e solidarizando-se com a ação do movimento acontecida na sede da FUNART em São Paulo; apresentação de performances; leitura dramática e mostra de vídeos de grupos nacionais e internacionais como o lume (SP), Peter Brooke - UK e Theatre du Soleil (FR).
A ação do Colaborativo vem estabelecendo a aproximação de Grupos e artistas, mobilizando a causa de reflexão que revisa nossa estrutura para o fazer artístico. Nossa reivindicação é uma política pública menos interessada em ações eventuais e mais empenhada em proporcionar estrutura de trabalho permanente aos grupos e artistas locais que, em parcela considerada, sofre um desgaste e enfraquecimento da sua potência criativa devido á falta de investimento na infra-estrutura como espaço para o trabalho cotidiano; subvenção para manutenção dos grupos e artistas; pautas e equipamentos disponíveis nos teatros da cidade; projetos para formação de platéia leitora do teatro nas suas mais diferentes estéticas (sobretudo capacitando para a leitura da estética do contemporâneo no teatro); marketing para que a cidade crie um comércio suficiente e necessário para consumir as produções dos artistas e grupos, para além de poucos espetáculos anualmente escolhidos em festivais locais e nacionais; dentre outras ações que venham a reconhecer e incorporar a função social do artista com o devido respeito, levando em consideração o valor e a importância da arte para sociedade.
O que queremos é uma política que venha a nos dar condições de continuidade de nossas ações de forma a sermos auto-sustentáveis e gestores de nossos grupos e espaços de trabalho, contribuindo para a formação dos sujeitos sociais com projetos incorporados à rede de educação, de programas sociais, de comunicação e de gestão cultural.
Por Eli Maria
(Atriz, cantora, diretora, dramaturga, pedagoga, produtora cultural e
Comissão de Gestão e Formação/ Colaborativo Permanência)





















Colaborativo Permanência/Universo Antunes filho








O Colaborativo Permanência, em parceria com a produtora Simone Figueiredo, participou da semana Universo Antunes Filho assistindo ao seminário, mostra de vídeo, exposição, oficina, espetáculos e promoveu bate papo com o elenco e produtores do CPT na quinta 26/03/09, no Recife Praia Hotel-Boa Viagem.


23 de mar de 2009

DIA MUNDIAL DO TEATRO E CIRCO

Amigos(as),
Estaremos realizando duas ações em celebração ao nosso dia: um bate-papo com os atores do CPT de Antunes Filho, que estão na cidade dentro do projeto O Universo de Antunes Filho, nesta quinta dia 26/03 às 10h no Recife Praia Hotel e uma tarde de intervenções no Pátio de São Pedro, nesta sexta 27/03 das 13 ás 18h.

Os dois eventos são gartuitos, porém, o primeiro tem capacidade para poucas pessoas e precisa de inscrições e o segundo é aberto a todos! Basta aparecer!

Segue release com maiores informações e como se inscrever.

Abração.
Kleber Lourenço
Visível Núcleo de Criação.



Bate-papo com os Atores do CPT e Dia Mundial do Teatro.

O Colaborativo Permanência, coletivo de grupos e artistas independentes do teatro pernambucano, em parceria com o projeto O Universo de Antunes Filho, da Ilusionista Produções, realiza nesta quinta-feira dia 26 de março às 10h no Recife Praia Hotel, um bate-papo com os Atores do Centro de Pesquisas Teatrais – CPT.

A idéia do encontro é debater sobre o trabalho do ator e o método de trabalho do diretor Antunes Filho. O encontro será aberto a todos os artistas da cidade, mas, pela capacidade limitada do local do encontro (25 lugares), o Colaborativo pede que os interessados se inscrevam até quarta, dia 25/03 através do e-mail: colaborativopermanencia@gmail.com, ou pelo fone: 8824-0370 com Eli Maria.

Este encontro abre a programação do Dia Mundial do Teatro, 27 de março, onde o Colaborativo estará realizando uma tarde de intervenções no Pátio de São Pedro (13 às 18h). As atividades, que englobam: mostra de vídeos, performances, aulas práticas sobre treinamento técnico para atores, leituras dramáticas e de carta manifesto, além de um banquete celebrativo, são abertas ao público em geral, basta aparecer e participar das atividades. Segue programação abaixo:


COLABORATIVO PERMANÊNCIA CELEBRA O DIA MUNDIAL DO TEATRO E CIRCO:


13h – Abertura do evento:

- Leitura da Carta Nacional: Movimento 27 de março!
- Leitura de textos sobre o TEATRO;
- Ação pública: PARA MOVER O MUNDO com o Visível Núcleo de Criação;


14h- Vivência Prática:
Jogos Cênicos, ministrada por Carlos Ferrera da Cia. Santa Fogo;

14:30h – Vivência Prática:

Pranayamas e Asanas: um estudo para atores. Ministrada pela diretora Viviane Bezerra do grupo Trupe de Copas;

15:30h- Performances Teatrais:

1. "3,14..., O número infinito" com a Cia. Santa Fogo;

2. Fragmento, com o grupo Labô Espetáculo;

3. Fluxo Livre, com o ator/bailarino Kleber Lourenço.


16:30h – Leitura Dramática
Do Conto "O Homem da Cabeça de Papelão", de João do Rio com a Cia. Santa Fogo;

A Cia promove a leitura de um dos melhores contos da literatura nacional, "O Homem da Cabeça de Papelão", do autor carioca João do Rio (1881-1921), marcando o início do processo de construção de seu mais novo espetáculo com estréia prevista para o segundo semestre de 2009.


17h às 18h – Banquete de Celebração com todos os participantes;

- Chegada da Caminhada do Teatro promovida pelo Movimento de Teatro Popular do Recife – MTP;
- Performance Musical com o Coletivo Lumo.


Mostra de Vídeos:

Das 14h às 17h - Programação de vídeos sobre teatro.
Durante toda tarde serão mostrados vídeos sobre grupos e criadores de teatro no mundo, entre eles: Grupo Lume, Peter Brook, Theatre Du Soleil e Teatro Oriental.

18 de mar de 2009

Mostra offline do Festival do Minuto em Recife

O Sesc-Casa Amarela – Recife estará realizando dia 28 de março, à tarde, uma mostra offline do Festival do Minuto com os seguintes programas: "Cidades", "Ser Nordestino", "Acabou a Gasolina", "60 Minutos do Mundo".

Estarei nessa programação com os vídeos: “Enquanto isso...” Minuto premiado pelo festival em novembro do ano passado e “Noites a fora”, um vídeo de 10 segundos.




Rodrigo Dourado, organizador da Mostra no SESC, esta articulando os realizadores de Recife para um bate papo.
Prestigiem....

Ps. O SESC Casa Amarela fica na Avenida Norte, do lado da entrada para o Alto José do Pinho.

AbrAção!
Muita paz luz!
orlando

Cerimônia de Premiação dos Melhores Minutos de 2008


Olá Pessoas!!!

Dia 23 de Março as 19h30 no MIS (Museu da Imagem e do Som), Avenida Europa, 158, São Paulo, Cerimônia de Premiação dos Melhores Minutos de 2008
e coquetel de inauguração da Rede de Exibição do Festival do Minuto.

Estou participando desse evento com 2 vídeos – Roi Roi (Tema Livre) – Enquanto Isso... (Tema Acabou a Gasolina) já premiados pelo Festival do Minuto.

Neste dia serão entregues 3 celulares Nokia para os três melhores vídeos escolhidos por um grande júri (ver cartaz)

Veja aqui todos os vídeos que estão concorrendo:


A rede de exibição acontecerá em 614 equipamentos culturais de 269 cidades.

Compareçam! Levem a família, amigos, conhecidos! A entrada é franca, e não é necessário ter ingresso para entrar!

23 de Março, 19h30
MIS - Museu da Imagem e do Som
Avenida Europa, 158, São Paulo
-Moçada amiga de Sampa, apareçam e prestigiem por mim!-
Posted by Picasa

10 de mar de 2009

Matéria sobre nós no DP

Diário de Pernambuco, 10 de março de 2009

Artes Cênicas // Colaborativo em novo endereço



Depois de quase um ano de reuniões no extinto CPT Recife (Centro de Pesquisa Teatral do Recife), o Colaborativo Permanência se muda para o Espaço Compassos, na Rua da Moeda. Acaba de divulgar seu calendário de atividades para 2009, em encontro na Livraria Cultura.

Grupo quer ministrar cursos e promover seminário e performances neste ano. Foto: Virginia Brasil/Divulgação
Os planos deste coletivo de grupos e artistas independentes das artes cênicas são muitos para este ano e incluem a realização de cursos, seminário e uma mostra de performances, além da produção de artigos, divulgação do trabalho dos envolvidos e de pesquisas de dramaturgia, perseguindo a continuidade, uma característica rara no cenário artístico recifense. "A nossa base é a troca de experiências e a pesquisa. É "catucar" a qualidade dos trabalhos que estão sendo desenvolvidos na cidade, respeitando e conhecendo a produção do outro", afirma Kleber Lourenço, explicando que o Colaborativo não é uma entidade de classe (já existem pelo menos oito na cidade).

Mas tantos desejos só serão concretizados da melhor forma possível se eles mantiverem a organização e conseguirem maior adesão dos próprios artistas participantes (são nove grupos e quatro artistas independentes, cuja proposta pode ser conhecida no blog www.colaborativopermanencia.blogspot.com). Trinta pessoas compareceram ao encontro na Cultura, mas o número seria bem maior se todos os grupos estivessem presentes.

Para facilitar a realização do trabalho ao longo do ano, os integrantes do Colaborativo foram divididos em comissões (de gestão, de comunicação e de formação), com objetivos distintos, embora interligados. "Nossas reuniões semanais, todas as terças-feiras, às 19h, não são fechadas, outros grupos podem participar, fazer parte das decisões", pontua Kleber, que está à frente de uma das comissões, assim como Eli Maria, Carlos Ferrera e Arthur Canavarro. "Queremos dar visibilidade a novos artistas, fazendo com que a região os conheça. E estamos empenhados em fomentar a formação de uma plateia leitora e consumidora de teatro, fazendo um marketing mais forte, para que ele seja recriado como lazer",destaca Eli Maria.

O Colaborativo Permanência já participou de eventos como o Festival Recife do Teatro Nacional e o Janeiro de Grandes Espetáculos, além do Seminário Latino-Americano e do Próximo Ato (em São Paulo e no Recife). As próximas oficinas práticas - de teatro fisicalizado em interseção com a dança e de danças circulares - serão ministradas por Kleber Lourenço e Jorge de Paula, respectivamente. Em abril, o Colaborativo comemora um ano com um seminário sobre a estrutura do fazer teatral, discutindo pontos como a necessidade de espaços para os grupos atuarem; a leitura interdisciplinar e o diálogo com o público. E ainda com o lançamento de um vídeo institucional, com trechos das peças. "No Recife existem, sim, grupos que estão criando e fazendo teatro com continuidade. Não adianta querer destituir a nossa história", defende Carlos Ferrera, que na comissão de formação quer introduzir videoconferências em seminários, aproveitando brechas para que o Colaborativo conquiste espaços. (Tatiana Meira)

8 de mar de 2009

imagem-corpo expressão: os surdos!

Olá colaborados e visitantes!
Tô muito feliz em poder contribuir com a construção deste espaço.

Vou aproveitar este primeiro post para divulgar algumas iniciativas na área de arte-educação para surdos desenvolvidas por mim e por outros companheiros. Para alguns pode soar um pouco estranho (não estranho, mas inusitado talvez) este enfoque na comunidade surda, mas se pararmos um pouco pra pensar o surdo representa uma alegoria interessante principalmente para a reflexão da estética ou da própria arte na contemporaneidade.

De cara, a primeira analogia possível está na questão da imagem: a dimensão que a imagem ocupa em nossa realidade não se equipara a nenhum outro momento histórico; não à toa, vivemos a era da
civilização da imagem , como bem define Jacques Aumont. Imaginemos então uma comunidade que se comunica e se percebe no mundo prioritariamente através da imagem.
Da imagem naturalmente chegamos ao corpo: os surdos são sujeitos que utilizam uma linguagem viso-espacial, escrita através de seus gestos corporais. Essa "corporeidade silenciosa" (coloco entre aspas porque de silenciosos os surdos não tem nada) estabelece, sob meu ponto de vista, uma relação direta com a
ação física em detrimento do texto.
Brecht, Delacroux,
Artaud e Bausch são algumas das referências que redimensionam a questão do corpo do ator e sua relação com texto dramático. As cearas do Teatro Físico e da Dança-Teatro aprofundam ainda mais esta questão, conduzindo-nos a outros caminhos possíveis para a presença cênica contraposta a compreensão clássica do verbo como motor da ação.
Desde 2006 venho elaborando junto com a equipe do Centro Suvag de Pernambuco, estratégias metodológicas para uma arte-educação
voltada para o surdo. Dentre os projetos em desenvolvimento, queria compartilhar com vocês o BIS, um banco de imagens onde pode ser encontrado o registro de algumas atividades da instituição. Este espaço é importante porque, além divulgar as ações, preenche uma lacuna recorrente na questão da memória do surdo.
Em breve a Cia Mãos em Cena, grupo de teatro formado por alunos e ex-alunos do Suvag, entrará em cartaz com as peças A Pedra do Reino e Andar...sem parar...de transformar, com o apoio do Programa BNB de Cultura e do Funcultura. Mais pra frente volto a divulgar.
Outra ação muito legal na área é o FotoLibras, um projeto de fotografia participativa com surdos desenvolvido por Edurado Queiroga e Mateus Sá. A partir de hoje, 8 de março, os fotografos do grupo participam da exposição coletiva Pare, Olhe, Escute
que ocorrerá nas dependências de estações de metrô de Pernambuco. No Terminal Integrado de Passageiros (TIP), serão expostas dez fotos do FotoLibras, em painéis de 2mx1,3m. Além do projeto FotoLibras, outros artistas participam da exposição: Aslan Cabral e Fábio Rafael (Estação Camaragibe), Grupo Autom.ato e Mozart Santos (Estação Central - Recife), Bruna Rafaela (Terminal Integrado de Passageiros) e Mauricío Castro (Estação Jaboatão).
Abraços,
Zig

3 de mar de 2009

Roi Roi e Enquanto isso... no MASP-SP

De 04 a 29 de março estará acontecendo no mezanino do MASP (primeiro subsolo) a exposição “1000 Minutos de 80 Países”.
Vídeos de um minuto da Holanda, Itália e Brasil, em 30 monitores e em um projetor central.
Do Brasil serão 60 vídeos minuto e 10 nano segundos, selecionados entre os 20.000 vídeos recebidos pelo Festival do Minuto do Brasil desde 1991.
Os vídeos minutos Roi Roi e Enquanto isso... premiados pelo Festival em Abril e Outubro de 2008 estarão compondo a mostra.
Se você não pode chegar até o MASP por estes dias, pode conferir esses dois vídeos aqui no Blog e os demais brasileiros no site do Festival do Minuto: www.festivaldominuto.com.br
Confira!

Roi Roi


Enquanto isso...